A música, explorando os sentimentos.

A experiência musical pode ser compreendida e analisada em diversas camadas. Seja pela poesia (letra), pela canção que é cantada, pela parte instrumental ou pela reunião de todos estes elementos. Cada pessoa terá uma relação diferente e particular com cada um destes aspectos, de acordo com aquilo que se propõe a absorver. Consciente ou inconscientemente, sua função no encontro de Mocidade seria, talvez, melhor definida numa palavra tão comum a nós, espíritas: vibração, em seu sentido espiritual.

Assim como tão diversas são nossas emoções e estado de espirito, diversa é a trilha sonora que faz parte destes 4 dias de confraternização fraterna de carnaval. Desde as canções mais agitadas, que nos fazem pular e dançar, até as mais intimistas, que nos levam às lágrimas; são também um meio de nos ligar com as equipes espirituais e também dar abertura para que elas possam se aproximar de nós.
Numerosos são também os relatos da câmara descrevendo a potência e qualidade das energias que emitimos quando envolvidos com a música, produzindo ou participando dela.
Nossos amigos espirituais também se utilizam das músicas de Mocidade para contextualizar mensagens e orientações mediúnicas. As musicas de Mocidade já foram citadas diversas vezes. Neste encontro, canções como “Mais um dia” e “Noite Clara”, foram repetidas diversas vezes a pedido da câmara de sustentação, tanto na plenária quanto em outras frentes do encontro, como cozinha, enfermagem, entre outras. Até o tradicional e tão conhecido dedilhado de violão nos momentos de prece nos auxilia a buscar o recolhimento, pois a música instrumental nos fala direto ao coração quando as palavras faltam para exprimir determinados sentimentos.
Um ponto que chamou a atenção nesta edição do Encontro Geral é a qualidade e envolvimento musical de muitos alunos que se apresentaram no “Show de Talentos” do domingo à noite, e nos dos trabalhadores em incentivá-los a participar cada vez mais – e, por que não, contribuir com os próximos passos que a música no movimento pode tomar daqui pra frente?
Por fim, não menos importante, no movimento de Mocidades, a musica é também ferramenta integradora. Nesta edição do Encontro Geral, foi com grande alegria que grupos de praticamente todas as regionais de Mocidade se apresentaram nos momentos de musica em plenária, além de apresentações mistas entre as regionais, que, com certeza, se desdobrarão em trabalhos futuros, sejam eles dentro ou fora dos encontros de carnaval. A “Mocidade Itinerante”, trabalho encabeçado por dirigentes da regional do Vale do Paraíba, e também parte da programação deste encontro, proporcionou uma ótima demonstração da eficácia desta integração, e como a música pode ser ferramenta para levar a Mocidade onde ela ainda não existe.
Ainda há muito a se fazer pela música no movimento de Mocidades da Aliança. Como todos os trabalhos de arte, e necessário uma atenção constante para que ferramentas tão valiosas não se reduzam apenas a entretenimento e passatempo, e que o legado do que se foi feito até então não se perca, e que se dê espaço aos que chegam.
É preciso investir na disseminação da importância da arte para que todos nós, principalmente os que estão à frente do trabalho, possamos compreender melhor sua utilização e quebrar os paradigmas que ainda dividem o conceito do que costumamos chamar “música espírita” não é de simples definição, nem suas influências estão isentas do que se costuma chamar de “músicas do mundo lá de fora”.
Por detrás de cada canção de Mocidade, há um compositor que traz uma bagagem cultural consigo e dela se utilizou, influenciado pela linguagem musical de sua época. Afinal, nunca podemos nos esquecer de que, ao longo da história da humanidade, a música ocidental, que era principal ferramenta de doutrinação e ensinamento dos sacerdotes aos fiéis, saia dos templos religiosos para o mundo e, para eles voltavam, traduzindo anseios da alma daqueles que estavam em busca de conforto e compreensão de um Deus mais justo e próximo dos seus corações, e elevando a um patamar mais alto, em ciência e em virtude, a cada ciclo.

Pedro Ivo Almeida
Casa Espirita Edgard Armond – Regional ABC