Emmanuel

Há 2.000 anos, Emmanuel foi Públio Lentulos, um orgulhoso senador romano.

Um patrício de alma indiferente e ingrata que vivera tão somente para César e para as falsas glórias do mundo. Viera a compreender e aceitar o Evangelho de Jesus nos derradeiros tempos de sua romagem terrestre. Após anos de cegueira, Públio Lentulos, desencarna na pavorosa erupção do Vesúvio, em agosto de 79, entre gêiseres de pedra e chuvas de cinza, explosões ensurdecedoras, relâmpagos, ondas de lama, num espetáculo de horror…

Depois de 50 anos das ruínas de Pompéia, reencarna como Nestório, escravo judeu de Éfeso. Foi na personalidade de Nestório, o judeu grego da Ásia Menor, o cristão humilde das catacumbas de Roma, que Emmanuel iniciou sua tarefa de Obreiro do Evangelho. Morreu na arena entre milhares de cristãos: crianças, jovens e velhos, servindo de espetáculo para a plateia. Ali, estava o Senador de volta para o resgate de suas faltas e em busca da evolução, numa posição onde o seu orgulhoso coração havia espezinhado outrora.

Vários séculos se passaram e Emmanuel reencarna na vila portuguesa de Sanfins, em Entre Douro e Minh
o, em 1517. Com inteligência privilegiada, ingressou na Universidade de Salamanca, Espanha, aos 17 anos, e, com 21, inscreve-se na Faculdade de Cânones da Universidade de Coimbra, frequentando aulas de Direito Canónico e Filosofia. Em 1541, em plena mocidade, recebe a láurea doutoral, sendo, então, considerado doutíssiomo Padre Manoel da Nóbrega, pelo doutor Martim Azpilcueta Navarro.
Visitou em espírito, o Brasil recém-descoberto; contemplou as florestas, apiedou-se dos indígenas e amou a Terra de Santa Cruz. Desde então, prepara-se para a grande missão que Deus lhe reservava.

Em 1549, vem com Tomé de Souza para o Brasil. Aqui viveu 21 anos de dedicações silenciosas e enormes sacrifícios. Em 1554, seria um dos principais fundadores da grande metrópole São Paulo e colaborou na fundação de Salvador
e Rio de Janeiro. Foi conselheiro dos governantes e protetores dos humildes. Pai carinhoso dos curumins e enfermeiro dos abandonados. Foi professor, pregador, médico, mentor esclarecido, político honesto, servidor de todos. “O Primeiro Apóstolo do Brasil”. Em homenagem ao convertido de Damasco, Paulo de Tarso, chega a adiar a inauguração do Colégio de Piratininga, a que dá o nome de São Paulo, para o dia da conversão do apóstolo, que a Igreja comemora a 25 de janeiro, devido a fortes ligações entre eles. Ao completar 53 anos, em 1570, após vários anos colocando sangue pela boca, desencarna Manuel da Nóbrega no Colégio do Rio de Janeiro, no antigo Morro do Castelo.

A informação de que Emmanuel teria sido o Padre Manoel da Nóbrega, foi dada pelo próprio Emmanuel em várias comunicações através da mediunidade idônea e segura de Francisco Cândido Xavier, quando foi seu guia.

Cinquenta anos depois renasce em terra espanhola, onde prossegue em sua missão. É o Padre Damiano, sacerdote esclarecido e dedicado, vigário da igreja de São Vicente, em Ávila, a gloriosa cidade de Santa Teresa de Jesus. Damiano luta, dentro de seu invariável padrão de nobreza e equilíbrio, contra os cruéis mercadores de escravos, com a mesma coragem com que, na personalidade de Nóbrega, no Brasil, defendia os direitos e a liberdade dos indígenas. Sempre a mesma dedicação ao próximo: sereno, mas enérgico, destemido e corajoso. Contraindo implacável moléstia dos pulmões, o velho sacerdote desencana em Paris, França.

A nobreza de caráter de Públio Lentulos, embora seus defeitos humanos continuem em Nestório, mas já iluminada e aperfeiçoada pela experiência da fé cristã, acentua-se, permeando séculos e reencarnações, na alma abnegada de Nóbrega, o benemérito missionário. Acrisola-se, nessa continuidade psicológica, espiritual, na vida humilde do Padre Damiano, tanto quanto resplende, hoje, no Espírito de Emmanuel, como testemunham suas realizações de amor em prol dos que sofrem, seus livros mediúnicos, monumentos de sabedoria e espiritualidade, seu pensamento lúcido e sincero.

No início da atividade mediúnica de Chico, nos anos trinta, ainda sem se identificar, disse-lhe que gostaria de trabalhar com ele durante longos anos, mas que necessitaria de três condições básicas para fazê-lo: 1ª disciplina, 2ª disciplina e 3ª disciplina e também que se alguma vez ele o aconselhasse a algo que não estivesse de acordo com as palavras de Jesus e Kardec, deveria esquecê-lo, permanecendo fiel a Jesus e Kardec.

Emmanuel fez parte da falange do Espírito da Verdade que trouxe à Terra o Cristianismo
restaurado, definição sua da Doutrina Espírita. No Evangelho Segundo o Espiritismo, Allan Kardec inseriu uma mensagem de Emmanuel, recebida em Paris, 1861, intitulada O Egoísmo (Cap. XI – 11).
Para além dos dois livros históricos citados, temos ainda várias dezenas de outros, dos quais destacamos: Paulo e Estevão, obra que, segundo Herculano Pires, justificaria, por si só, a missão mediúnica de Francisco Cândido Xavier “Ave, Cristo” e “Renúncia”, livros estes que, juntamente com os citados anteriormente, ajudam-nos a entender o nascimento do Cristianismo e, depois, à sua gradual adulteração estes cinco livros são baseados em fatos históricos verdadeiros. Foi considerado o 5º evangelista, pela superior interpretação do pensamento de Jesus analisemos os seus livros: “Caminho, Verdade e Vida”; “Pão Nosso”; “Vinha de Luz” e “Fonte Viva”.

Emmanuel é o nobre Espírito responsável por um grande trabalho missionário. Coração generoso que se reparte continuamente, em amor e simpatia, atendendo aos sofredores que o buscam. Sábio condutor de almas, sua palavra de luz tem se dirigido, sem distinções, a todos os que lhe batem à porta do coração, em dádivas de paz, de esclarecimento e de bom ânimo.

Confira algumas das obras de Emmanuel psicografadas por Francisco Cândido Xavier:
“A Caminho da Luz”, que nos relata uma História da Civilização à Luz do Espiritismo e “Emmanuel”, livro constituído por diversas dissertações importantes sobre Ciência, Religião e Filosofia, que preocupam a Humanidade.
“Agora é o Tempo”
“Algo Mais”
“Alvorada do Reino”
“Assim Vencerás”
“Deus Sempre”
“Irmão”
“Luz Bendita”
“Material de Construção”
“Momentos de Paz”
“Novo Mundo”
“Perante Jesus”
“Recados do Além”
“Refúgio”
“Tocando o Barco”

Emmanuel juntamente com André Luiz:
“A Verdade Responde”
“Ação e Caminho”
“Busca e Acharás”
“Tempo e Nós”

Emmanuel juntamente com Irmão José:
“Crer e Agir”