Nossa Aliança em 2016

Pensando sobre 2015, vamos planejar a Aliança para 2016.

As notícias trouxeram medo e más expectativas durante o ano que se encerra, aumentando o nível de preocupações e tornando mais frágil o equilíbrio mental e espiritual de multidões.

Mas sempre é possível pensar em coisas boas, úteis ao progresso e que trouxeram felicidade.

Quantos recém-formados receberam seu primeiro salário em 2015? E, neste momento, estão se esforçando para serem melhores profissionais, bons colegas, cidadãos honestos.

Quantos se tornaram pais e mães, saindo das maternidades com os filhos nos braços? Planejam ser para eles bons exemplos, dedicar-lhes suas vidas, seus esforços, sua atenção.

Quantos entraram em uma faculdade? Ou no curso técnico? Após meses ou anos de preparação, iniciam uma etapa nova, para serem pessoas úteis à sociedade em que vivem.

Quantos foram pela primeira vez à escola? E iniciaram uma jornada que vai prepará-los para compreender o mundo e adquirir novas capacidades e conhecimentos?

Quantos saíram de casa sozinhos pela primeira vez? Aprenderam a andar, falar, alimentar-se com autonomia?

Quantos viram a luz neste ano que passou, ingressando em uma nova existência, com esperanças renovadas para vencer a si mesmos, diante do panorama de suas vidas anteriores?

Em 2016, tudo isso vai tornar a acontecer, para milhões e milhões de criaturas.

Não neguemos que experiências dolorosas também aconteceram e continuarão a acontecer. Mas a perspectiva da vida após a vida nos ensina a ver que tudo contribui para a evolução. Então, não nos fixemos no sofrimento, e sim na mudança.

Com a mesma abordagem, pensando em nossa Aliança, em 2015: quantas pessoas assumiram o compromisso de serem membros atuantes da Fraternidade dos Discípulos de Jesus?

Quantos descobriram o valor do trabalho voluntário? Quantos se surpreenderam com o mundo interno, através das ferramentas de reforma íntima de nossa Escola de Aprendizes?

Quantos se descobriram médiuns, colaboradores humildes e disciplinados dos servidores do Bem no mundo espiritual?

Quantos se reconfortaram com a nova perspectiva trazida pelas ideias espíritas, em uma preleção, em um encontro de vivências doutrinárias ou através das aulas do Curso Básico?

Quantos foram acolhidos e ouvidos atentamente na Assistência Espiritual?

Tudo isso voltará a acontecer em 2016.

Porém, não pode acontecer mecanicamente. Repetir, por repetir, fazer apenas porque sempre foi feito. Não é assim que o progresso acontece.

As boas ações de 2015 somente foram boas de fato se propiciaram mudanças efetivas em cada um de nós.

Por isso, nossos grupos de trabalho, nossas casas espíritas, nossas turmas do Curso de Médiuns e da Escola de Aprendizes do Evangelho, e todas as reuniões, encontros, atividades novas, em resumo, tudo o que fizermos só terá sentido se causar mudança. Mudança para melhor.

Cada gesto, cada palavra, cada aula, precisa ser diferente. Novo. Que abra uma nova perspectiva.

Não podemos fazer nada repetitivo. Se você tem uma aula preparada, modifique-a para melhor. Perceba que você, os alunos e o mundo mudaram em relação ao minuto anterior.

Se você treinou durante anos os gestos do passe magnético, lembre-se que você está diferente, as pessoas estão diferentes, e o passe precisa ser diferente. Para melhor.

Nossa Aliança será diferente. É preciso que seja para melhor.

Em 2016, faremos algo que nunca fizemos, na escala da Aliança, em termos de Escola de Aprendizes – mas que sempre fizemos nas Mocidades Espíritas – Encontros dos Alunos.

NO MÊS DE MAIO, todos os alunos da EAE estão convidados a se encontrar. Pelos números informados nos cadastros das turmas, poderá ser a oportunidade de mais de dez mil pessoas se encontrarem, confraternizando para aprenderem a melhor servir.

A simples oportunidade de percebermos que estamos organizados em muitas turmas, em diversos centros, em várias cidades e regiões do Brasil e do mundo, despertará uma nova consciência em muitas pessoas.

Ajudará no melhor aproveitamento do programa, abrirá perspectivas de realizações novas. Fortalecerá a fé e a esperança. E trará uma visão mais abrangente do processo de Iniciação Espiritual.

Para isso, precisamos nos ajudar. Vencer os desafios da organização. Unir ideias, mãos e corações para a realização dos encontros de EAE em nossas regionais.

Não vamos esperar sentados que alguém prepare tudo para nós. Precisamos participar, oferecer nossa ajuda. Com isso, viveremos novas oportunidades para descobrirmos a nós mesmos, fazendo coisas novas, aprendendo a trabalhar com outras pessoas e para outras pessoas.

Com nosso esforço coletivo, o ano de 2016 será diferente, para a Aliança e para cada um de nós. Diferente para melhor.

O Diretor Geral da Aliança2016 E LOGO AEE